segunda-feira, 9 de maio de 2011

Aborto – épocas diferentes – realidades desiguais; porém todos resultados são traumáticos.

Pv 14-12"Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte".



Hoje vou escrever sobre o aborto com base em relato reais, de algumas mulheres que o praticaram.


Não existe julgamento se certo ou errado pois a Bíblia fala que só existe um justo juiz;  desejo deixar este tema para que todos homens e mulheres façam uma reflexão.


Caso 1: Havia uma linda moça, que era uma executiva de carreira brilhante , inteligente, estudiosa, apaixonada. No decorrer da relação engravidou o pai era seu chefe que lhe cobria de promessas e até jantares em família para firmar o compromisso.

Ao saber da Gravidez a jovem com 23 anos foi contar correndo para seu amado, pois agora já formariam uma família, só faltava mesmo os papéis do divórcio para o casamento.

Ao saber que seria pai , a máscara dele caiu e o mundo para ela sumiu da planta dos pés – O momento de realização se transformou em horror ele revelou que jamais havia se separado, que a esposa morava em outro estado, e que não queria ter filho algum.

Meninas, mulheres fiquem atentas, porque o crápula, vestia pele de cordeiro e a todos enganou pois esta relação perdurou por mais de três anos.

Resumo da história: A moça ficou sem trabalho, deprimida, com medo e vergonha da família e foi a uma clinica clandestina e realizou o aborto, teve sérios problemas no organismo, mas a conseqüência pior ficou na alma, de moça bonita, profissional competente, estudante esmerada, hoje resta um rosto sem vida uma tristeza que ninguém sabe de onde vem a não ser os que compartilharam do seu sofrimento – pois a decisão do aborto foi dela, desesperada, corajosa, infeliz e solitária.


Caso 2: Uma moça livre, queria viver e curtir tudo sem cuidados ficou grávida, sem dúvida abortou. Continuou livre por muitos anos.

Resumo da história: Por outros soube que padece de uma enfermidade mental, que alucina, que vive num inferno, visita igrejas, mas não consegue se livrar da culpa, culpa esta - que esta levando a outro caminho que penso ser sem volta (A não ser pela graça e misericórdia de DEUS), o das drogas.

Caso 3: Há mais de 60 anos uma jovenzinha de 13 anos apaixonou-se por um homem, mais velho por volta de 30 anos, casado ficou grávida. Há seis décadas isso era inaceitável, sua mãe era viúva, então as irmãs mais velhas (16 anos – 15 anos) ocultaram o fato e ajudaram a consumar o ato mais terrível de sua vida.

Resumo da história: Os anos passaram , mas sua vida ficou manchada para sempre como se vertendo sangue do seu ser, teve muitos outros filhos, mas os que a conheceram na mocidade contam que desde este episódio a infância foi perdida para sempre, a mocidade não existiu, viveu toda vida numa mistura de amargo e loucura.


Seus dias foram consumidos até o final como numa tragédia grega.

Este caso deveria estar lá em cima como primeiro mas achei interessante colocar aqui no final,para que sirva de reflexão.

Pois a decisão sobre o corpo de uma mulher pertence a ela, porém todas devem ter certeza de uma coisa as conseqüências de um aborto são muitas, e dentre elas existem marcas profundas que nada é capaz de sarar nem mesmo as melhores terapias somente um milagre de Deus , se este for da sua vontade.

Que possamos refletir, orar e vigiar por nós e pelas milhares de mulheres que por um motivo ou outro passaram ou passam por esta mutilação.

PV 14.10 - 13 O coração conhece a sua própria amargura, e da sua alegria não participará o estranho.Pv 7.23 "até que a flecha lhe atravesse o coração; como a ave que se apressa para o laço, sem saber que isto lhe custará a vida".

A casa dos perversos será destruída, mas a tenda dos retos florescerá.
Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte.
Até no riso tem dor o coração, e o fim da alegria é tristeza.


Que Deus abençõe a todos e que possamos estar em oração para que Ele dê sabedoria, bom senso e livre ainda muitas mulheres das desgraças que a levam ao desespero para cometer tal ato.

Missionária Bella Dourado

11 comentários:

  1. Esses testemuhos são chocantes!! Parabens pela escolha desse tema.
    Vim deixar o meu carinho na sua pagina e te desejar uma semana repleta de boas novas! Bjos

    ResponderExcluir
  2. Tudo é real; este tema é velho conhecido, obrigada por abordar com delicadeza.

    Tudo tem um preço, mas as vezes não há escolhas.

    ResponderExcluir
  3. Querida missionária,

    Importante reflexão e despertamento!
    Eu me entristeço muito ao ler relatos como estes que você postou aqui.
    São indícios de fraqueza,irresponsabilidade e desorientação destas mulheres.
    Quando se diz que a decisão sobre o corpo de uma mulher pertence a ela,há uma vírgula que se chama: uma nova vida,um bebê,um feto.
    Eu penso que as autoridades competentes tem que criar leis para proteger quem não tem como se defender,no caso,a criança concebida no útero da mãe.
    Não tenho opinião totalmente formada a este respeito,[casos de violência sexual ou fetos com anomalias],mas ver mulheres abortando indiscrimanadamente,levando uma vida promíscua e irresponsável,achando que tem o direito de interromper uma gravidez,é lamentável e deprimente.
    Já tive oportunidade de assistir vídeos,onde é mostrado o processo de aborto e é muito triste.
    Que possamos ter respeito a vida,favorecê-la,pois foi para isso também,que Cristo se entregou por nós.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Bella querida, fico com o relato da Patrícia Fonseca. Concordo que o aborto é necessário em casos de estupro, de violência. O resto há de se cobrar responsabilidade. Esclarecer
    meninas e mulheres a usarem preservativos. Os cientistas falam que embrião e feto são diferentes; que semanas e meses são diferentes... Por que não fazer campanhas até as pessoas entenderem? Só sei que a mulher que aborta arrisca muito a própria vida, uma vez que os métodos usados são primitivos, para os pobres, é lógico.
    Amiga, isso é um assunto que não tem fim!!

    mil beijos
    Tais Luso

    ResponderExcluir
  5. Obrigada a todas pelos depoimentos.
    A intenção total destes relatos reais e alertar as graves consequencias.
    A responsabilidade de nosso corpo cabe a nós, o que devemos ou não fazer; mas o que fazer , como fazer?

    Acredito que a melhor maneira e pedir a direção de Deus e educar, educar , mas hoje educação esta meia confusa passou pela perda da ingenuidade e chegou ao absolutismo da maturidade entre meninas e meninos, homens e mulheres.

    Sinceramente não sei a fórmula para acabar com este vasto e extenso assunto mas sei pelos relatos conhecidos que as feridas são profundas com estas mulheres verdadeiras mutilações.

    A todas obrigada pelos depoimentos preciosos e aos que virão já antecipo o meu obrigada!

    ResponderExcluir
  6. OI a paz de Jesus!
    Fico muito feliz que Jesus Também tenha te dado vitória nesse final de semana! Glórias a Deus!

    Aborto é um tema muito delicado, mas se formos pela palavra de Deus somente Deus pode retirar uma vida...mas não cabe a nós julgar, somente Cristo o poderá fazer.

    ResponderExcluir
  7. Sim perdemos muito, as sequélas ficam para sempre.

    Não fiz aborto porque sou irresponsável; ou qualquer outro motivo já descrito - muuito menos me orgulho do que fiz.

    Queria saber qunatas dessas mulheres que apontam o dedo contra quem aborta passaram por uma trauma seja ele físico de abuso ou de abuso emocional com promessas desfeitas.

    Se tivesse uma lei que proibisse o aborto e hoje a minha desgraça fosse a mesma eu com certeza tiraria a minha vida no total.

    É fácil julgar e condenar - irresponsável é as mães que colocam filhos no mundo para joga-los na marginalidade ou entregarem em adoção para muitas vezes serem criados como animais esta cheio de caso por ai.

    Desejo que nem uma mulher sofra a humilhação que sofri; os enganos; o amargo desprezo e os sonhos indo pelo ralo a mais de 40 décadas.

    Que nem uma das juízas tenha este sofrimento.

    Obrigada, por trazer este tema sem julgar alertando para os problemas futuro, mas acho que algumas acima não entenderam nada.

    S.P

    ResponderExcluir
  8. Gostaria de deixar claro que de minha parte,não se trata de julgamento,pois cada qual sabe de sua vida,escolhas e o preço que se paga por elas.
    Mas,penso que todos tem direito de expressar seu pensamento e o que acredita.
    Melhor ainda se pudermos respeitar uns aos outros em seu posicionamento.
    Para a querida que postou anonimamente,peço perdão se de minha parte,dei impressão de estar julgando.
    Destacando o que Bella colocou muito sabiamente:
    "Que Deus abençõe a todos e que possamos estar em oração para que Ele dê sabedoria, bom senso e livre ainda muitas mulheres das desgraças que a levam ao desespero para cometer tal ato."
    E complementando humildemente,que possamos orar por aquelas que precisaram se submeter ao ato e trazem dores,sequelas e memórias tristes consigo.
    =/

    ResponderExcluir
  9. oi bella (com dois elles igual ao collor...rss), tudo bem? obrigado por visitar e permanecer no caminhos da teologia. vim conhecer seu trabalho aqui no blog e de cara já me deparo com um tema tão difícil. eu sou em tese, contra o aborto. mas infelizmente, existem nuances que precisam ser levado em conta em cada caso, pois senão, caímos no erro apenas do "ser contra" pelo viés moralista que não consegue enxergar que a nossa existência não é perfeita, e nem sempre conseguimos fazer o que é mais certo a ser feito.

    em todo caso, se uma mulher chegou a cometer um aborto, ela tem que se perdoar pois o que está feito, feito está; senão viverá sempre com um peso maior do que poderá suportar.

    volto outras vezes, viu? vou colocar seu blog na minha lista de blogs.

    abraços e paz

    ResponderExcluir
  10. Grande Bella Dourado,
    Agradeço pela presença e sua companhia.Parabenizo pelo seu trabalho.

    Prosperidade,sucesso e muita Luz sempre.
    Beijo no coração.
    Fique com Deus.
    Alessandro

    ResponderExcluir
  11. A culpa do aborto é a culpa de um assassinato, frio e inescrupuloso pois é muito pior já que é contra um ser indefeso. Não há aqui a discussão de julgar ou não julgar. A licitude ou não já está presente no próprio fato. Vc interrompeu uma vida, não deu a ela o direito de vir ao mundo e padecer todas as alegrias e dores possíveis a um ser. Se isso não for errado, não sei mais o que é. É muito duro para quem comete esse crime continuar vivendo e conseguir deitar a cabeça no travesseiro e dormir em paz. O anônimo comentou dizendo que irresponsáveis são as mães que têm seus filhos e os jogam na marginalidade. Ora, ninguém joga ninguém em lugar nenhum. As chances existem, hoje bem mais do que antigamente. Se vc optar por não estudar e se entregar a um crime, é uma opção sua, ninguém te jogou lá, mas mesmo as piores opções precisam ser dadas como direito ao ser humano e não tirá-lo do ventre antes que qualquer coisa se materialize na vida dele.
    Ótima discussão, Bella!

    ResponderExcluir

Este blogue é particular.
Obrigada por ter chegado até aqui.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...